segunda-feira, 7 de junho de 2010


Era um ser que foi separado. Num trabalho cotidiano, o ser foi escolhido para ala dos rejeitados. Separado de quem escolhe. Apenas classificado, escolhido. Conduzido pelo desejo de desvendar o próprio determinismo, à espreita de cruzar a linha invisível que o afastava. Desviavam de si as verdades de quem ele era, pois estas eram complicadas de suportar. Por ignorar-se, o ser aparentava mistério. Por não se conhecer era hermético. 
Foi tornando-se também, um mascarado sem instrução de si; um palhaço que não sabia; um inocente culpado. 
Tornou-se então, um nostálgico pelo que não havia de conhecer; um saudoso pelo que, de fato, perdera. Tudo isso, sem congruência, maquiou o ser com uma alegria supérflua. Isso tudo, contraditoriamente, foi fazendo dele um palhaço com necessidade de se expor, comunicar o que não era.
Foi assim que o mal-entendido fez-se ao seu redor. As pessoas acreditavam que estavam diante de alguém alegre, constante, imutável, feito um quadro. Não perceberam que o que viam era a tristeza disfarçada de um palhaço. E, por engano, o ser virou famoso e subiu em vários Palcos. 
Por ironia, ou por equívoco, o ser era amado. 
Porém, sentir-se amado era admitir-se a si mesmo na maquiagem do Palhaço, que não o era. Aquele ser se via amado como se fosse outro ser. Foi aí que o Palhaço não mais conteve suas lágrimas. Aquele ser chorou. Forjadamente amado, o palhaço-triste se doía por inteiro. Quem o deu a fama lhe virava as costas, pois nem sequer o reconhecia em meio a enchente dos seus olhos, que faziam borrar a sua perfeita maquiagem. O ser doía-se solitariamente.
É verdade que o palhaço-triste preparou-se tanto para ser aceito que, ao sentir-se assim, famoso e reluzente, percebera que não havia aprendido a sorrir.
No entanto, algo deu errado. Haviam feito dele, nada mais que piadas, que rude humor.
E se viu perdido.
As pessoas tinham se dado apenas ao palhaço. E, sobre a sua caiada pintura de bobo da corte, escorriam correntezas de lágrimas.
Na expectativa de tornar-se mais real, o ser foi aos poucos tirando a sua maquiagem, e se diminuindo até chegar a quem ele era. Mas, tudo o que o palhaço fazia só dava legitimidade ao seu personagem. Quem ele era, passou a ser apenas um coadjuvante do Palhaço. Não importava o que ele fizesse, até mesmo se matar, apenas tornaria mais cômica à vida do personagem.
E, com os dias ele foi caminhando. Desiludido. Morrendo aos poucos. Sem ter aprendido o que é sorrir. Sem graça, acompanhado apenas por risadas cruéis alheias. Separado. 
Classificado: Palhaço.
 E, sem dúvida Triste.
 Um Palhaço- Triste.

Autora: Thobila Gabriela de Lima Costa
Participante do Choro do Palhaço

8 comentários:

Talles azigon disse...

ah as vezes o palhaço vira como figura triste como nos seu belo texto mais eu vejo ele sempre como um Deus, um redentor dos aflitos

Eduardo Teixeira disse...

Nossa!

Matheus disse...

"Classificado: Palhaço.
E, sem dúvida Triste.
Um Palhaço- Triste."
vc tem mania de chocar no final,hein

tallesazigon disse...

ah! muito obrigado,

as vezes eles não nos deixam em paz mesmo, ainda bem

^^

Talles Azigon disse...

hoje vim fazer um convite especial
estamos lançando um novo projeto e espero que você nos aprecie:

http://papeisonline.blogspot.com/

aproveita a oportunidade e assina nosso jornal gratis na opçao assine do menu

Joana Maria disse...

Muito bom flor...

Obrigada!

Passo ate seguir também...

Beijos

Marcio Rufino disse...

Parabéns Thobila,

Gostei muito de conhecer sua escrita.
Te descobri no Papéis Online e pude percebver que tens uma poesia sensibilíssima, contudente e profunda, cheia de lirismo. Gostaria de convidá-la a visitar os blogs http://emaranhadorufiniano.blogspot.com
e
http://po-de-poesia.blogspot.com

Comentários e sugestões serão muito bem vindos.

Bjs.

Chris Ribeiro disse...

Texto perfeito, trenzim!
Adorei o seu estilo.

Bjim.

@ChrisRibeiro

Postar um comentário

 

Copyright 2010 O Choro do Palhaço.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.